Co-criação e Marketing Relacional como Diferencial Competitivo

Por Caroline Buss

O marketing herdou por muito tempo o modelo baseado na troca de bens tangíveis, mas ao longo das últimas ­­décadas emergiram novas perspectivas, focadas em recursos intangíveis, trazendo à tona conceitos como co-criação, customização, interatividade, conectividade e relacionamentos contínuos. O que precede e o que se segue à transação entre a empresa e o consumidor pode se traduzir em um relacionamento (de curto ou longo prazo), e esta interação com os clientes atualmente é mais importante do que a transação em si.

Isso significa mais do que simplesmente se orientar para o consumidor, significa aprender com ele e ser adaptável às suas necessidades, aplicando as competências organizacionais em benefício dos clientes como o núcleo central da missão da empresa. As organizações devem perceber que sempre podem fazer melhor para atender os clientes e aumentar o desempenho financeiro e então desenvolver internamente processos voltados à aprendizagem contínua.

O marketing se compromete pelo desempenho financeiro da empresa, assumindo a responsabilidade pelo aumento do valor de mercado na medida em que eleva os ativos fora do balanço, como a fidelização do cliente, a marca e o patrimônio da rede. Isto desafia o marketing a se tornar a filosofia organizacional predominante e a assumir a liderança na coordenação de uma perspectiva orientada para o mercado. O desenvolvimento de uma solução personalizada, que pode consistir em um produto, um serviço ou a combinação de ambos, e a entrega dessa solução para o cliente, não são o mais importante, mas sim que a organização interage com cada cliente para definir a necessidade específica a ser atendida.

Encontra-se assim uma vantagem competitiva, no fato de a organização se concentrar totalmente no processo de consumo e uso de seus produtos e serviços por parte de seus consumidores. A observação do mercado em termos de processos e fluxos de serviços, ao invés de unidades de produção, abre muitas oportunidades de marketing estratégico. Para permitir isso, as práticas de marketing devem ser o centro do planejamento estratégico e todos os membros devem ser incentivados a refletir sobre a proposta de valor organizacional. Deve-se disseminar a ideia de que todas as atividades da empresa sejam empenhadas na sua capacidade de resposta ao mercado, bem como, a percepção de que os lucros provêm da satisfação do cliente ao invés da quantidade de bens vendidos. Portanto, todos os funcionários deverão ser identificados como prestadores de serviços, com o objetivo final de satisfazer o cliente.

À medida que os indivíduos se tornaram mais complexos, o uso do mercado e dos bens para obter benefícios de ordem superior, como satisfação e estima, aumentou consideravelmente. O desafio para criar valor é coproduzir ofertas que mobilizem os clientes atuais, bem informados e muito exigentes. O consumidor deve se tornar um coprodutor ao invés de um alvo, e ser envolvido diretamente na cadeia de produção e serviços. Portanto, a interação com o cliente precisará se tornar um processo de comunicação caracterizado pelo diálogo.

Mesmo em relação aos bens tangíveis, a produção não termina com a fabricação, pois o consumidor ainda deve aprender a usar, manter e adaptar os bens às suas necessidades. Ao usar um produto, o cliente continua os processos de consumo e criação de valor. O principal objetivo das empresas, independente do ramo de atuação, deve ser reconhecer que o consumidor é sempre um coprodutor, e se esforçar para maximizar o envolvimento deste na personalização de seus produtos físicos ou na oferta de serviços, para que estes sempre atendam às necessidades do mercado, extremamente mutáveis.

Caroline Esther Buss é analista de consultoria na empresa Dutra Gestão Empresarial, possui Graduação em Administração com ênfase em Marketing pela Universidade Feevale em 2013; Pós-graduação em Gestão Empresarial com ênfase em serviços pela Universidade Feevale em 2016; acadêmica do Mestrado em Indústria Criativa pela Universidade Feevale. Atuante em projetos utilizando a metodologia Dutra Consultores, desenvolvendo de forma integrada projetos nas áreas de Licitações, Planejamento estratégico, Family Office, Avaliação Econômico Financeira de Empresas, entre outros na área de gestão empresarial.

Este artigo reflete as opiniões do autor e não deve ser interpretado como opinião da B3 ou como recomendação de investimento. A B3 não se responsabiliza nem pode ser responsabilizada pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência de seu uso para qualquer finalidade.
2017-10-31T13:19:06+00:00 31/10/2017|Artigo em foco|