Delegação de Responsabilidades

Por Bruna Wasem

É indiscutível que ser um líder é uma tarefa complexa, levando-se em consideração a variedade de perfis dos profissionais. São pessoas com variadas personalidades, origens, formações, com habilidades e capacidades distintas, com ambições diferentes. Ao líder, é imprescindível saber como gerenciar um time formado pelos mais diferentes perfis, levando a empresa a atingir seu objetivo.

Um segredo para liderar bem uma equipe, mantendo a motivação geral, é delegar autoridade a seus colaboradores. Contudo, a delegação está entre os grandes desafios do líder. Envolve riscos e decisões sobre como, quando e a quem delegar a responsabilidade, além de exigir planejamento e esforço de todas as partes envolvidas. Por estes e outros motivos, muitos gestores propendem a centralizar as tarefas em torno de si, deixando de delegar e, assim, têm um sentimento ilusório de produtividade. Entretanto, conforme a empresa e os desafios crescem, essa estratégia não se sustenta.

Um líder tem uma série de assuntos prioritários e estratégicos, isto significa que ele não pode ficar preso à rotina do negócio, pois nenhum profissional sozinho é capaz de mover um negócio bem-sucedido. Nesse sentido, um gestor centralizador não só despende seu tempo em coisas que não são sua função, como não está preparando sua equipe para um futuro crescimento.

Também é impossível, na medida em que a empresa cresce, uma só pessoa exercer toda a autoridade para a tomada de decisões. Existe um limite para o número de pessoas que um administrador pode supervisionar com eficácia e para as quais ele pode tomar decisões. É preciso preparar os colaboradores, além de motivá-los, e essa é justamente a maior vantagem de se delegar funções. Assim, o líder cria colaboradores multifuncionais, pensantes, que encontram soluções para os problemas da área ou mesmo do negócio.

Entre os benefícios que a delegação traz ao líder e à empresa, pode-se citar:

  • Libera tempo para o gestor poder gerenciar, isto é, planejar, organizar, acompanhar, supervisionar, controlar resultados e inovar;
  • Motivação da equipe, oferecendo mais autonomia e responsabilidades ao colaborador;
  • Desenvolvimento dos colaboradores, dando-lhes oportunidade para expandir suas habilidades, encorajando-os a usar sua criatividade e capacidade de resolver problemas e tomar decisões;
  • Cria um clima de trabalho motivador apropriado ao crescimento pessoal e profissional dos colaboradores e do próprio gestor;
  • Aumenta os resultados, porque as pessoas passam a utilizar o tempo de forma a atingir as metas da empresa onde trabalham.
  • Leva ao desenvolvimento organizacional encorajando cada colaborador a utilizar o seu potencial ao máximo. Isto traz benefícios, não só para a empresa, como também para o próprio indivíduo.

A delegação não é uma tarefa simples, pois existem diversos níveis de autoridade que se pode atribuir e que devem ser respeitados. Além dos níveis, deve-se levar em consideração as particularidades de cada colaborador.

Algumas práticas que auxiliam no momento de delegar responsabilidades:

  • Observar a equipe;
  • Ser transparente e claro;
  • Deixar as informações necessárias disponíveis;
  • Entender que é um desafio para todos envolvidos;
  • Confiar na equipe;
  • Entender que não é necessário que as coisas sejam feitas exatamente à sua maneira;
  • Ter consciência de que erros acontecem;
  • Estar acessível;
  • Dar feedbacks.

A escolha sobre o que delegar, para quem e como não é fácil, e cabe ao líder identificar a melhor forma de fazê-lo. O mais importante é que este exercício seja praticado constantemente, de forma que se crie um ambiente de crescimento mútuo.

 

Bruna Wasem é consultora na Dutra Gestão Empresarial, empresa que adota o método Dutra Consultores. Formada em Administração pela Universidade Feevale, atua de forma multidisciplinar em estruturação de projetos estratégicos em empresas de diferentes segmentos.

 

Este artigo reflete as opiniões do autor e não deve ser interpretado como opinião da B3 ou como recomendação de investimento. A B3 não se responsabiliza nem pode ser responsabilizada pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência de seu uso para qualquer finalidade.
2017-09-13T21:48:22+00:00 13/09/2017|Artigo em foco|