Os riscos da auditoria interna sem foco

Por Lucas Betiati

Os recentes eventos relacionados à corrupção e fraudes em empresas brasileiras fez com que aumentasse a demanda por programas de compliance e de auditoria interna nas organizações, como uma tentativa de identificar as fragilidades existentes e aprimorar os processos internos.

Entretanto, para se implementar uma auditoria interna efetiva, deve-se levar em consideração diversos aspectos importantes e não simplesmente seguir a euforia do mercado. Afinal, o que vemos hoje, são auditorias internas feitas sem um foco específico e que não seguem a sequência de etapas necessárias. O principal objetivo da auditoria interna é auxiliar a administração na gestão de riscos, o que não significa dizer que eles serão reduzidos a zero, mas sim a níveis aceitáveis. Porém, para que o processo seja feito de maneira correta, é necessário conhecer quais sãos esses riscos em que a organização está exposta.

Nesse contexto, a Gestão de Riscos Corporativos (ERM) também é outra ferramenta, que assim como a auditoria interna, fortalece a estrutura de governança corporativa. Dessa forma, a organização passa a conhecer os principais riscos existentes, de uma forma mais abrangente, em quatro pilares: estratégico, financeiro, operacional e de compliance.

Os riscos devem ser medidos entre probabilidade e impacto, sendo feita ainda a avaliação dos controles existentes. A partir desse resultado, deve ser elaborado o plano de auditoria interna, que estará em linha com as áreas de maior fragilidade da empresa, evitando assim gastos desnecessários em áreas que já estejam mitigadas.

Além dos gastos acrescidos, a qualidade do trabalho de uma auditoria interna que não cumpre esses procedimentos iniciais de investigação fica comprometida. Existem empresas que optam por fazer auditoria interna sem foco e, após a implementação da Gestão de Riscos, refazem o procedimento e obtêm resultados diferentes quanto a identificação de novas oportunidades de melhoria, não captadas na primeira análise.

A auditoria interna não planejada pode dar a falsa sensação de que os problemas estão sendo identificados e solucionados, porém, precisamos identificar de fato onde está o problema e qual seu real impacto.

 

Lucas Betiati é gerente de Consultoria da Grant Thornton Brasil

Este artigo reflete as opiniões do autor e não deve ser interpretado como opinião da BM&FBOVESPA ou como recomendação de investimento. A BM&FBOVESPA não se responsabiliza nem pode ser responsabilizada pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência de seu uso para qualquer finalidade.
2017-03-21T13:28:02+00:00 21/03/2017|Artigo em foco|