Os pilares de uma empresa familiar: Questões essenciais para uma boa sucessão

Por Domingos Ricca, ricca@empresafamiliar.com.br

Sem dúvida, a figura mais importante da empresa familiar é o fundador. O pai, o avô, aquele que desenvolveu e concretizou o negócio e que, definitivamente, é exemplo a ser seguido pelos familiares.

O empreendedor cria uma empresa a partir de um sonho pessoal e chega ao fim da vida com dificuldade de compartilhar os seus valores e sonhos com a segunda geração. Alguns empreendedores se frustram por não conseguirem repassar seus sonhos e projetos para seus herdeiros. Assim, a passagem da gestão de uma geração para outra não trará o contorno de continuidade idealizado pelo fundador.

O filho que assumir a gestão da empresa deverá representar, mais claramente, os valores da família, que normalmente são: trabalho duro, comprometimento com o sucesso do negócio, disposição para se sacrificar pelo cliente e confiança dos familiares.

A identidade de uma empresa familiar, portanto, está pautada em quatro pilares, que foram adotados pelo fundador no início do negócio, a saber:

-Palavra /Credibilidade;

-Perseverança;

-Carisma / Liderança;

-Cultura.

No início, a palavra é tudo o que o fundador possui como forma de garantia, ou seja, toda sua credibilidade fica pautada na concretização de suas ações. Se o sucessor estiver consciente da força que tem a palavra dada, a confiança que os clientes depositaram no seu antecessor também será transmitida a ele.

Além disso, é importante que a futura geração conheça a trajetória de vida do fundador, a fim de compreender a importância da sua perseverança e do seu esforço na condução da empresa. Os herdeiros que sabem das dificuldades enfrentadas tendem a valorizar mais os negócios da família.

A liderança e o carisma são as únicas características que o patriarca não consegue transmitir ao seu sucessor, pois características comportamentais são moldadas a partir da trajetória de vida de cada um.

O sucessor deverá, além de apresentar capacidade necessária para assumir a gestão, possuir e transmitir os valores que simbolizam a organização.

A palavra, a credibilidade, a perseverança, a liderança e o carisma foram os  pilares de apoio na formação e expansão do negócio, formando a cultura empresarial. Um planejamento sucessório consiste em manter esse conjunto de valores, transferindo-os para as próximas gerações.

A continuidade deve ser realizada com o planejamento sucessório, além da inclusão de ações de Governança Corporativa, sendo essa um instrumento de profissionalização e de transparência, que permite a redução dos conflitos entre parentes. Com eses dois requisitos cumpridos (Planejamento Sucessório e Profissionalização), a empresa seguirá por muitas gerações.

 

Domingos Ricca é Sócio-Diretor da Ricca & Associados Consultoria e Treinamento e da Revista Empresa Familiar. Consultor especializado em Governança Corporativa para Empresas Familiares. Palestrante e Conferencista nacional e internacional. Conselheiro da FIERGS. Administrador, MBA em Gestão pela Wisconsin University,  PhD em Administração pela Florida Christian University. Certificado em Governança Corporativa pela SQS Suíça. Autor dos seguintes livros: Governança Corporativa nas Empresas Familiares: Sucessão e Profissionalização. Editora CL-A. São Paulo, 2012; Sucessão nas Empresas Familiares: Conflitos e Soluções. Editora CL-A. São Paulo, 2006; Da Empresa Familiar à Empresa Profissional. Editora CL-A. São Paulo, 1998.

Este artigo reflete as opiniões do autor e não deve ser interpretado como opinião da BM&FBOVESPA ou como recomendação de investimento. A BM&FBOVESPA não se responsabiliza nem pode ser responsabilizada pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência de seu uso para qualquer finalidade.

 

2017-04-05T13:33:58+00:00 07/02/2017|Artigo em foco|